Amostras de petróleo de calcinação a seco. Percentual de cinzas e análise elementar via micro-ondas.



A incineração a seco ou úmida de produtos de petróleo, tanto para a determinação da porcentagem de cinzas quanto na preparação para a análise elementar, é tipicamente tediosa e demorada. Verificações de controle de qualidade para identificar problemas de processo, como transbordamento de catalisador, teste de custódia de transferência para garantir que as especificações do cliente sejam atendidas e avaliação de novo estoque de alimentação para ver como isso afetará ou funcionará em um determinado processo, são realizadas rotineiramente em laboratórios de petróleo.


No entanto, avanços recentes na tecnologia de micro-ondas forneceram ao químico métodos de análise mais simples, bem como a capacidade de realizar essas análises em um período de tempo favorável à operação eficiente da planta. Esses avanços tecnológicos resultam da crescente popularidade da tecnologia de micro-ondas no campo da química analítica que, por sua vez, cresceu a partir da capacidade da instrumentação de micro-ondas de atender às necessidades do químico analítico. 1


Comparação de Métodos


Um estudo conjunto conduzido pela Valero Refining Company (Corpus Christi, TX), CEM Corporation (Matthews, NC) e um laboratório de testes independente determinou a viabilidade do uso de métodos baseados em microondas para melhorar a preparação de amostras para produtos petrolíferos. O objetivo deste estudo foi comparar o método de microondas com os métodos ASTM / UOP para determinar se o método de microondas é uma alternativa viável para (1) determinações percentuais de cinzas e (2) preparação de amostras para análise elementar. Como base para esta comparação, a Tabela 1 ilustra algumas diferenças importantes entre os métodos de microondas e ASTM / UOP.



Conheça o Phoenix: https://www.superlab.com.br/phoenix